Autores
Afonso Cruz



///

Ana Margarida Falcão



///

Barry Wallenstein



///

Eduardo Pitta



///

Fernando Pinto do Amaral



///

Francesco Benozzo



///

Francisco José Viegas



///

Graça Alves



///

Inês Pedrosa



///

Jaime Rocha



///

João Carlos Abreu



///

Joel Neto



///

José Manuel Fajardo



///

José Mário Silva



///

Júlio Magalhães



///

Karla Suárez



///

Manuela Ribeiro



///

Patrícia Reis



///

Paulo Sérgio BEJu



///

Pedro Vieira



///

Rui Nepomuceno



///

Valter Hugo Mãe



///

Yang Lian



///
Moderadores
Ana Isabel Moniz



///

Castanheira da Costa



///

Diana Pimentel



///

Donatella Bisutti



///

Francisco Fernandes

Participações Especiais
Giorgio Longo



///

José Viale Moutinho



///

Manuele Masini



///

Massimo Cavalli

Sáb, 17/Mar/12
Sáb, 17/Mar/12

O meu nome é Poors, Stanley Poors. Pode a crítica literária apresentar-se com a mesma confiança das agências de notação da dívida? Podem os críticos atirar um escritor para a categoria de lixo?

 

 

Para a professora universitária e escritora Ana Margarida Falcão, «a crítica foi responsável por uma sacralização da literatura. Os textos de crítica eram assinados por grandes intelectuais, jornalistas especializados ou outros escritores com um background de leituras da grande literatura e, há 30 anos, era um grupo quase fechado no qual era impossível entrar». Esta docente considera ainda que os sucessivos ministros da Educação foram responsáveis pelo estreitamento das leituras em Portugal. «O conhecimento da literatura dos meus alunos só começa em meados do século XX. O papel do poder político foi determinante para isso, nomeadamente através da forma como foi construindo os programas dos vários níveis de educação.»

 

 

Eduardo Pitta escapa ao núcleo dos críticos que põem a literatura num altar. «Eu dessacralizo por completo a literatura. A literatura sempre foi a minha vida. Comecei por publicar coisas inomináveis, em 1967.» Prova dessa atitude é a opinião de que «ser escritor é como ser um outro profissional qualquer. Eu exijo que um empregado de mesa me sirva com o mesmo profissionalismo que eu coloco quando estou a escrever».

 

Para o crítico da revista Sábado, a partir dos anos 1950 a crítica literária mudou muito, «graças a professores universitários, como o Óscar Lopes, que fez a crítica dar um salto muito grande». A crítica da década de 1960 teve alguns equívocos, a crítica dos anos 70 foi bastante engagée. O contexto político determina e contamina a literatura. «Se pensarmos no cânone em 24 de Abril de 74 e no cânone dois anos depois, só dois ou três nomes permaneceram: Agustina, Sophia e Vergílio.» Mais tarde deu-se uma nova ruptura, passamos de uma tradição francófona para uma tradição anglófona, «partindo do princípio de que aquilo que algumas pessoas falam é inglês», atirou Eduardo Pitta.

 

 

Afonso Cruz lançou no debate a questão da percepção: até que ponto somos afetados pela forma como percecionamos os acontecimentos. «Na altura da gripe das aves, toda a gente lavava as mãos a toda a hora, parecíamos uns Pilatos. Hoje isso já não acontece.» O reforço da observação sobre um determinado fenómeno potencia-o. «A crítica, a seu tempo, deve ter criado muitas gripes das aves. Ao destacar muito determinados autores, por certo acabou por lhes dar um relevo que a história veio a provar como exagerado.»

 

A reforçar esta ideia, Afonso Cruz citou um estudo que demonstrava que um indivíduo inserido num grupo, em 38 por cento das ocasiões, acabava por adotar a opinião dominante e trair os seus sentidos. «Isto acontece também com a crítica: não serão todos, mas alguns críticos devem acabar por alinhar com a maioria.»

 

 

A fechar o painel, o jornalista e escritor Júlio Magalhães concentrou a sua intervenção no papel dos críticos. «O que faz o cânone não é o tempo mas as pessoas. […]. Na literatura há espaço para todos. Hoje qualquer um pode escrever um livro, e vocês olham para mim. A crítica fala hoje para um nicho e foi durante muito tempo fechada, daí que as pessoas desconfiem quando leem uma crítica. Quanto mais estrelas a crítica dá, menos o livro vende. Desapareceram os textos literários e narrativos sobre os livros e foram ganhando importância as estrelas. A crítica portou-se como uma agência de rating, tanto na literatura como no cinema.»


Etiquetas:

por festivalliterariodamadeira às 11:47 | comentar | partilhar

Os Canais do FLM
Facebook FLM
Fotos SAPO FLM
Twitter FLM
YouTube FLM
Programa
*15 DE MARÇO*


Conferência inaugural: Agustina Bessa-Luís

Visitas a Escolas

*16 DE MARÇO*


Visitas a Escolas

Mesa 1
«Éramos felizes e não sabíamos»


Espetáculo Ser Ser Poeta não É Uma Invenção Minha

*17 DE MARÇO*


Mesa 2
«Éramos poors e não sabíamos»


Mesa 3
«Éramos violentos e não sabíamos»


Mesa 4
«Éramos piegas e não sabíamos»


Lançamento Nova Delphi

Mesa 5
«Éramos originais e não sabíamos»


Noite do Desassossego

VALIDAÇÃO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DOCENTE (DRE)
FLM contribui para a formação de docentes.
Parceiros



Media Partners
Apoios